BySamuel Oliveira

Cibercriminosos aproveitam epidemia de zika para espalhar software malicioso

Cibercriminosos passaram a aproveitar o medo gerado pelo Zika Vírus para aplicar golpes virtuais que instalam pragas cibernéticas no computador das vítimas. A identificação de uma dessas campanhas foi informada nesta quinta-feira (18) pela empresa de segurança cibernética Symantec.

De acordo com a empresa, os ataques começaram após a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar emergência de saúde pública internacional por causa do surto de microcefalia que, segundo alguns pesquisadores, está associado ao vírus da zika.
Aproveitando as atenções voltadas para a doença, os criminosos iniciaram uma onda de disparo de e-mails indesejados e maliciosos. O objetivo é infectar os aparelhos dos usuários com um malware capaz de baixar outros softwares prejudiciais.

A mensagem localizada pela Symantec finge ser de um site de saúde, mostra os dizeres “ZIKA VIRUS! ISSO MESMO, MATANDO COM ÁGUA!” no campo de assunto e traz no conteúdo imagens e textos sobre meios de combater o mosquito Aedes Aegypti, vetor não só da zika mas também de dengue e chikungunya.

O golpe, no entanto, está nos dois botões incluídos na mensagem. Ao clicar neles, os usuários são direcionados para uma página do encurtador de URLs Bitly. De lá, seguem para uma conta no serviço de armazenamento Dropbox, que indica o download de um arquivo. O programa em questão é o malware JS.Downloader.

A orientação da Symantec é evitar clicar em links ou anexos de e-mails não solicitados, além de manter um antivírus atualizado.

Fonte: Globo.com

Samuel Oliveira administrator