BySamuel Oliveira

A corrupção causa “manutenção da pobreza no país”

O Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) realizou, no dia 9 de dezembro, em Brasília (DF), evento referente ao Dia Internacional contra a Corrupção.

O secretário-executivo e ministro substituto, Wagner Rosário, mostrou os principais resultados  da atuação da CGU  em 2016 na prevenção e no combate à corrupção, além de destacar servidores federais punidos e operações especiais. Apresentou ainda o resultado do  8º Concurso de Desenho e Redação, e do 4º Concurso de Boas Práticas e conduziu a premiação dos vencedores.
 
Conforme discursou Rosário, o combate à corrupção está em processo de avanço nos países em desenvolvimento como o Brasil e precisa-se discutir sobre o mau uso do dinheiro público. “É um mal que provoca desigualdade social, diminui o crescimento econômico, corrói o Estado e as suas instituições. É uma das principais causas da manutenção da pobreza no país”, enfatizou.

Afirmou ainda que “Não é uma tarefa fácil, exige mudança de pensamento e comportamento. Entre os desafios está o de atuar, de forma mais estruturada e sistêmica, com os demais órgãos de defesa do Estado e com a sociedade”

Destaque das ações
Durante esse evento, apresentou-se o Balanço de Ações em 2016 e  dentre elas destacam-se: o fomento à integridade no setor privado, por meio do Empresa Pró-Ética; o recorde histórico de acessos ao Portal da Transparência do Governo Federal; e o crescimento das manifestações recebidas (sugestões, elogios, reclamações e denúncias).

Houve ainda deflagração de 247  operações especiais em parceria com a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF), com  identificação de prejuízo de R$ 4 bilhões e houve fiscalização de R$ 17,5 bilhões descentralizados a 70 municípios e aos 26 estados para a execução de políticas públicas. Já no campo disciplinar, 6.128 servidores foram expulsos por atos contrários à lei (65% deles por corrupção) e 1.104 empresas foram punidas por irregularidades em licitações e contratos (três delas envolvidas na Operação Lava Jato).

Fonte: Ministério da Transparência

Samuel Oliveira administrator